DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

Fim da União Soviética (URSS)

26 de dezembro de 1991

6757
Visitas

11
compartilhamentos

Acessibilidade
BNCC

Em 26 de dezembro de 1991, era dissolvida a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). No dia anterior, Mikhail Gorbatchov, o oitavo e último líder da URSS, declarou seu cargo extinto e entregou seus poderes – incluindo o controle do arsenal nuclear soviético – para o presidente russo, Boris Iéltsin.

O processo de dissolução da URSS iniciou-se no final dos anos 1980 a partir da abertura econômica e política realizada por Gorbatchev que desencadeou mobilizações pela independência de povos minoritários no país. A queda do muro de Berlim em 1989 e, no ano seguinte, a perda do monopólio do poder pelo Partido Comunista em muitos países do bloco oriental contribuíram significativamente para o processo de decadência na União Soviética. De março de 1990 até seu colapso, em dezembro de 1991, um total de 21 estados declarou sua independência. A própria Rússia declarou sua independência da URSS em 12 de junho de 1990.

  • BNCC: 9° ano. Habilidade: EF09HI32

O golpe de agosto de 1991

A linha-dura do Partido Comunista tentou impedir o prosseguimento das reformas e, em agosto de 1991, depôs Gorbachev e reassumiu o controle da URSS.

O golpe de agosto de 1991, contudo, teve efeitos contrários pois acelerou-se o movimento de independência das repúblicas que compunham a União Soviética. Os organizadores do golpe esperavam apoio popular, mas descobriram que a opinião pública nas grandes cidades e nas repúblicas estavam contra eles, manifestada por manifestações públicas, especialmente em Moscou.

O presidente russo, Yeltsin, condenou o golpe fazendo discursos no alto de um tanque diante de milhares de pessoas que o apoiavam e pediam a volta de Gorbachev ao governo.

Os líderes do golpe tentaram, mas acabaram falhando, em prender Yeltsin. Eles também negligenciaram a transmissão das notícias por agências estrangeiras; muitos moscovitas acompanharam os acontecimentos ao vivo pelo canal de televisão CNN. Até o Gorbachev isolado foi capaz de acompanhar os fatos sintonizando o Serviço Mundial da BBC em um pequeno rádio.

Após três dias, em 21 de agosto de 1991, o golpe entrou em colapso. Os líderes foram detidos e Gorbachev foi reintegrado como presidente, embora com seu poder muito esgotado: o Partido Comunista fora banido da Rússia e o controle da União estava enfraquecido. O poder estava, de fato, nas mãos de Bóris Ieltsin, presidente da Rússia, e não mais com Gorbachev, presidente da URSS.

Multidão bloqueia avanço do tanque

Uma multidão tenta bloquear o avanço de um tanque perto da Praça Vermelha, no centro de Moscou, em 19 de agosto de 1991. A população foi contrária ao golpe que depôs o presidente soviético Mikhail Gorbachev. Foto de Alain-Pierre Hovasse.

Presidente da Rússia, Boris Yeltsin discursa

O presidente da Rússia, Boris Yeltsin (à esquerda, de terno marrom), discursa sobre um tanque em frente ao prédio da Federação Russa, enquanto os apoiadores seguram uma bandeira da Federação Russa, em 19 de agosto de 1991. Foto de Alain-Pierre Hovasse.

O fim da URSS

Em 1º de dezembro de 1991, consolidou-se independência da Ucrânia, aprovada em plebiscito por 90% da população. Uma semana depois, numa espécie de golpe branco contra Gorbatchev, os presidentes da Rússia, Ucrânia e Bielorrússia criaram a Comunidade de Estados Independentes (CEI), decretando o fim da União Soviética.

Em 17 de dezembro Gorbatchev foi comunicado de que a União Soviética desapareceria oficialmente na passagem de Ano Novo. No dia 21 de dezembro, os líderes de 11 das 15 repúblicas soviéticas reuniram-se na capital do Cazaquistão, para referendar a decisão da Rússia, Ucrânia e Bielorrússia e oficializar a criação da Comunidade de Estados Independentes (CEI) e o fim da União Soviética.

Em 25 de dezembro de 1991, Gorbachev renunciou à presidência da URSS e entregou seus poderes ao presidente russo Boris Yeltsin, incluindo o controle dos códigos de lançamento de mísseis nucleares soviéticos. Na noite desse dia, às 19h30, a bandeira soviética vermelha com a foice e o martelo foi retirada do Kremlin e, em seu lugar, foi hasteada a bandeira russa. Foi reconhecida a independência das antigas repúblicas soviéticas e criada a Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

No dia seguinte, 26 de dezembro,  a URSS foi dissolvida e em 31 de dezembro ela deixou de existir oficialmente com a extinção de todas suas funções administrativas.

As razões da queda da URSS foram múltiplas. Para alguns, pesou mais a fraqueza interna e a esclerose do sistema comunista; para outros, foi o resultado da ofensiva dos EUA na última etapa da Guerra Fria.

Foram também decisivos outros fatores emergentes, como a expansão do capitalismo, a escalada global e o ressurgimento dos nacionalismos que haviam sido congelados ou reprimidos após as guerras mundiais.

Repúblicas que compunham a URSS

Repúblicas que compunham a URSS: 1-Armênia, 2-Azerbaijão, 3-Bielorrúsia, 4-Estônia, 5-Geórgia, 6-Cazaquistão, 7-Quirguistão, 8-Letónia, 9-Lituânia, 10-Moldávia, 11-Rússia, 12-Tadjiquistão, 13-Turcomenistão, 14-Ucrânia, 15-Ubbesquistão.

Fonte

Saiba mais

Abertura

  • Um morador de Baku, capital do Azerbaijão, usa um machado para destruir um cartaz com imagem do líder bolchevique russo Vladimir Lenin, em 21 de setembro de 1991. Foto de Alain-Pierre Hovasse.

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: