DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

A mineração sob o olhar de Rugendas – leitura de imagem

23 de outubro de 2016

6686
Visitas

240
compartilhamentos

Acessibilidade
Array ( [0] => WP_Term Object ( [term_id] => 893 [name] => 1822 [slug] => 1822 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 893 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 2 [filter] => raw ) [1] => WP_Term Object ( [term_id] => 952 [name] => aluvião [slug] => aluviao [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 952 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [2] => WP_Term Object ( [term_id] => 78 [name] => brasil colonial [slug] => brasil-colonial [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 78 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 14 [filter] => raw ) [3] => WP_Term Object ( [term_id] => 3437 [name] => EF07HI10 [slug] => ef07hi10 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3437 [taxonomy] => post_tag [description] => Analisar, com base em documentos históricos, diferentes interpretações sobre as dinâmicas das sociedades americanas no período colonial. [parent] => 0 [count] => 5 [filter] => raw ) [4] => WP_Term Object ( [term_id] => 3662 [name] => EF07HI11 [slug] => ef07hi11 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3662 [taxonomy] => post_tag [description] => Analisar os diferentes impactos da conquista europeia da América para as populações ameríndias e identificar as formas de resistência. [parent] => 0 [count] => 4 [filter] => raw ) [5] => WP_Term Object ( [term_id] => 3405 [name] => EF07HI12 [slug] => ef07hi12 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3405 [taxonomy] => post_tag [description] => Identificar a distribuição territorial da população brasileira em diferentes épocas, considerando a diversidade étnico-racial e étnico-cultural (indígena, africana, europeia e asiática). [parent] => 0 [count] => 7 [filter] => raw ) [6] => WP_Term Object ( [term_id] => 3436 [name] => EF07HI13 [slug] => ef07hi13 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3436 [taxonomy] => post_tag [description] => Caracterizar a ação dos europeus e suas lógicas mercantis visando ao domínio no mundo atlântico. [parent] => 0 [count] => 12 [filter] => raw ) [7] => WP_Term Object ( [term_id] => 3459 [name] => EF08HI05 [slug] => ef08hi05 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3459 [taxonomy] => post_tag [description] => Explicar os movimentos e as rebeliões da América portuguesa, articulando as temáticas locais e suas interfaces co processos ocorridos na Europa e nas Américas. [parent] => 0 [count] => 4 [filter] => raw ) [8] => WP_Term Object ( [term_id] => 3892 [name] => escravizadas [slug] => escravizadas [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3892 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [9] => WP_Term Object ( [term_id] => 1035 [name] => escravizados [slug] => escravizados [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 1035 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 5 [filter] => raw ) [10] => WP_Term Object ( [term_id] => 456 [name] => escravos [slug] => escravos [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 456 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 8 [filter] => raw ) [11] => WP_Term Object ( [term_id] => 951 [name] => lavra [slug] => lavra [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 951 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [12] => WP_Term Object ( [term_id] => 950 [name] => mineração [slug] => mineracao [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 950 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 6 [filter] => raw ) [13] => WP_Term Object ( [term_id] => 3893 [name] => negras de tabuleiro [slug] => negras-de-tabuleiro [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3893 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [14] => WP_Term Object ( [term_id] => 645 [name] => ouro [slug] => ouro [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 645 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 7 [filter] => raw ) [15] => WP_Term Object ( [term_id] => 3894 [name] => quitandeiras [slug] => quitandeiras [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3894 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [16] => WP_Term Object ( [term_id] => 731 [name] => Rugendas [slug] => rugendas [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 731 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 2 [filter] => raw ) )

O período áureo da Mineração (1700-1760), no Brasil Colonial, foi marcado pela rigorosa fiscalização da metrópole que, entre outras coisas, proibia estrangeiros de documentar as atividades mineradoras. Com a vinda da Corte portuguesa para o Brasil, as normas foram abrandadas e surgiram, então, os primeiros registros iconográficos sobre extração de ouro e diamantes.

A aquarela “Lavagem do minério de ouro”, de Rugendas é a mais detalhada e importante imagem da atividade mineradora de Minas Gerais do início do século XIX. Por isso, ela merece uma leitura visual mais cuidadosa que permita explorar mais a fundo suas informações.

Este artigo remete para atividades no site Stud História. Veja no final.

  • BNCC: 7° e 8° anos – Habilidades: EF07HI10, EF07HI11, EF07HI12, EF07HI13, EF08HI05
Lavagem do minério de ouro, Rugendas

“Lavagem do minério de ouro perto da montanha de Itacolomi”, Johann Moritz Rugendas, aquarela sobre papel, 30 x 26 cm, 1835.

“Lavagem do minério de ouro”: leitura da imagem

A imagem mostra a extração aurífera em uma lavra na qual o trabalho é organizado em grande escala com aparelhamento para a lavagem do ouro. Cerca de 30 escravos trabalham na lavra sob o olhar atento de 7 ou 8 feitores brancos, uma vigilância rigorosa para evitar que os escravos roubassem o proprietário da lavra.

A lavra situa-se na região montanhosa de Minas Gerais, nas proximidades das cidades de Mariana e Ouro Preto (antiga Vila Rica).  O pico do Itacolomi, com 1.772 metros de altitude, o ponto mais alto da Serra do Espinhaço, era chamado de “Farol dos Bandeirantes” pois servia de referência para os antigos viajantes da Estrada Real que ali passavam a caminho das Minas Gerais. A região é repleta de nascentes, rios e cachoeiras em meio à densa vegetação da Mata Atlântica.

O ouro é de aluvião, encontrado em meio ao cascalho, areia e argila que se forma nas margens ou na foz dos rios. Na imagem de Rugendas, vê-se dois locais de exploração do ouro de aluvião: no canal escavado, em primeiro plano, e na área alagada pela cachoeira, no fundo à esquerda. Há, também, um terceiro ponto, na encosta da montanha, onde foi escavada uma galeria para extrair ouro incrustado na rocha.

Rugendas dá mais detalhes sobre a cena que pintou:

Escavam-se longos canais condutores a fim de trazer a água até o lugar que se deseja explorar. Gradis aí colocados retêm as pedras mais grossas, deixando passar, com a água, a areia e o pedregulho ou cascalho. Esses reservatórios, chamados mundéus, são constantemente remexidos para que o ouro, se purifique e, ao depositar-se no fundo, esvazia-se a água a qual carrega o cascalho. Pode-se também recolher o ouro, ou melhor a areia aurífera, em couros de bois ou cobertores de lã grosseira sobre os quais o minério é depositado pelas águas vindas da montanha.

 

[Os faiscadores] entram na água até a cintura e recolhem a areia do rio numa bateia. Remexendo a bateia à superfície da água, deixa-se sair a terra e o cascalho, ficando o ouro, mais pesado, no fundo cônico da bateia.

 

Outros faiscadores preferem amontoar a areia dos rios, fazendo correr por cima um pouco de água para retirar as partes mais leves. O restante é levado para uma panela chata; aí lava-se e remexe-se esse amontoado de areia, fazendo-o passar por cima de um couro de boi; finalmente tudo é colocado de novo em uma gamela para uma última lavagem. (RUGENDAS, 1972, p. 36-37).

Lavagem do minério de ouro (detalhe), Rugendas

Lavagem do minério de ouro (detalhe), Rugendas

Em primeiro plano, à esquerda, um escravo mergulha um grande couro na água do reservatório. O couro será depois batido – como se vê à direita – para soltar as pedrinhas de ouro que se prenderam a ele. O ouro extraído é pesado e se for de bom peso, a descoberta é comemorada pelos escravizados pois eram recompensados com comida, cachaça ou roupas novas.

Acima dessa cena, um escravizado é punido pelo senhor de casaca amarela – possivelmente por desobediência, rebeldia, furto ou mesmo por ser improdutivo.

Próximo, há duas negras levando sobre a cabeça carubés (vasilha de madeira, semelhante à bateia, mas de tamanho menor). Embora em menor número, negras mineradoras foram utilizadas na exploração do ouro e também de diamantes. O trabalho feminino na mineração era comum na África, especialmente na região da Costa da Mina, e elas tinham a reputação de dominarem a técnica de exploração aurífera e até de trazerem sorte.

Outras mulheres negras e mestiças, escravizadas ou forras, circulavam nos arraiais e morros com seus tabuleiros repletos de doces, frutas, queijo, fumo etc. Eram as chamadas “negras de tabuleiro” ou  “quitandeiras” que vendiam suas mercadorias recebendo em ouro e diamantes, o que permitiu a muitas delas acumular uma certa fortuna e adquirir bens, inclusive escravos.

Transitando entre diversas minas, arraiais e vilas essas mulheres formavam uma rede de comunicação, de solidariedade e até de intrigas tornando-se poderosas mediadoras culturais da região.

Muitos forros e forras dedicaram-se à mineração e empregaram seus escravos nessa atividade, ainda que pouco(as) deles(as) tenham conseguido a posse de terras minerais.

Breve história da mineração no Brasil Colonial

A mineração no Brasil Colonial concentrou-se em Minas Gerais e Goiás na primeira metade do século XVIII, alcançando seu ponto máximo em torno de 1760. O ouro provocou grandes transformações na colônia contribuindo para o povoamento do interior e o crescimento demográfico do Brasil. Levou à fundação de numerosas vilas e cidades e, com elas, a proliferação de mercadores, artesãos, taberneiros, boticários, cirurgiões-barbeiros, tropeiros etc.

O ouro permitiu construir igrejas imponentes e revestiu seus altares e tetos. Mas enriqueceu poucos. A riqueza acabou se acumulando de fato nas mãos dos comerciantes, locais e forasteiros. A pobreza marcou a sociedade mineradora como bem analisou Laura de Mello e Souza.

Esgotadas as minas, o declínio foi relativamente rápido e, em 1780, a renda da mineração era menos da metade do que fora no auge. A queda da extração aurífera, contudo, não acarretou uma decadência econômica, como afirmava a visão tradicional. A economia mineira, a partir da segunda metade do século XVIII, diversificou-se com a produção de alimentos, atividades artesanais e um vigoroso comércio.

A produção de carnes, derivados da cana-de-açúcar e do leite, milho entre outros alimentos cresceu a partir das necessidades de abastecimento, oferecendo importantes oportunidades comerciais. Além disso, a extração de ouro e diamantes não desapareceu, sua produção diminuiu sem dúvida, mas as lavras continuaram sendo exploradas e muitos faiscadores ainda lançavam suas bateias nos riachos.

Foi essa situação que Rugendas encontrou em Minas Gerais quando ali esteve por volta de 1824.

Rugendas: o pintor e sua obra

Johann Mortiz Rugendas

Johann Mortiz Rugendas tinha apenas 20 anos de idade quando entrou na expedição de Langsdorff. Permaneceu no Brasil por três anos e para o país retornou em 1845.

Johann Moritz Rugendas (1802-1858), também conhecido no Brasil como João Maurício Rugendas, integrou a expedição do naturalista e diplomata russo-alemão Georg Heinrich von Langsdorff que percorreria o interior do Brasil, em 1822.

Estava na região de Minas Gerais quando, desentendeu-se com Langsdorff e abandonou a expedição, prosseguindo viagem sozinho (1824-1825).

Ao retornar à Europa publicou sua obra Viagem Pitoresca através do Brasil (1827-1835) reunindo cerca de 100 litografias das imagens produzidas em sua expedição.

Apesar de Rugendas, enquanto membro da Expedição Langsdorff ter podido observar situações próximas à que representou, a aquarela “Lavagem do minério de ouro” é uma composição inventada, embora sendo uma paisagem geográfica que ele conheceu. A cena representada teve como base inspiradora a narrativa dos austríacos Spix e Martius que percorreram o interior do Brasil entre 1817 e 1820.

Baixe atividades sobre esse tema no site STUD HISTÓRIA. Clique no botão abaixo e faça um pedido na loja. Material gratuito.

Acessar

Fonte

  • BOXER, C. A idade do ouro no Brasil. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1969.
  • CANO, Wilson. A economia do ouro em Minas Gerais (século XVIII). São Paulo: Contexto, n. 3, 1977.
  • DIENER, Pablo e COSTA, Maria de Fátima. Rugendas e o Brasil. Obra completa. Rio de Janeiro: Capivara, 2012.
  • LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci Del Nero. Minas Colonial: economia e sociedade. São Paulo: Estudos Econômicos-FIPE: Pioneira, 1982.
  • PINTO, Virgílio Noya. O ouro brasileiro e o comércio anglo-português. São Paulo: Companhia Nacional/ MEC. 1979.
  • RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem pitoresca através do Brasil. São Paulo: Martins / USP, 1972.
  • SOUZA, Laura de Mello e. Os desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 1990.
  • ANDRADE, Leandro Braga de. A formação econômica de Minas Gerais e a perspectiva regional: encontros e desencontros da historiografia sobre os séculos XVIII e XIX.  Revista Caminhos da História. Rio de Janeiro: Vassouras, 2010, v.6, n.1
  • PAIVA, Eduardo França. Bateias, carumbés, tabuleiros: mineração africana e mestiçagem no novo mundo. In: PAIVA, E. F.; ANASTASIA, C.M. (orgs.) O trabalho mestiço; maneiras de pensar e formas de viver, séculos XVI a XIX. São Paulo/Belo Horizonte, Annablume / PPGH-UFME, 2002, p. 187-207.

Saiba mais

Outros temas da série “Desenhos para colorir”

 

 

Doação
Doação

Estamos no limite de nossos recursos 😟 O site Ensinar História produz conteúdo de qualidade sem custos, sem propaganda e sem restrições aos seguidores. Contribua com nosso projeto realizando uma doação.

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo Silva
Rodrigo Silva
7 anos atrás

Olá, procurei em toda parte o seguinte material: CANO, Wilson. A economia do ouro em Minas Gerais (século XVIII). São Paulo: Contexto, n. 3, 1977., mas não achei.

José A. Vanzela Júnior
José A. Vanzela Júnior
5 anos atrás

Olá, adorei o artigo! Era exatamente isso que eu procurava para trabalhar na minha aula de Intermediário 3 com alunos estrangeiros! Meus parabéns! Abraços

Joelza Ester
Joelza Ester
5 anos atrás

Que bom professor! Obrigada por nos visitar!

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog:

    3
    0
    Would love your thoughts, please comment.x