DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

Suicídio de Adolf Hitler e Eva Braun, Alemanha

30 de abril de 1945

51660
Visitas

23
compartilhamentos

Acessibilidade

Em 30 de abril de 1945, entre 15h e 16h, Adolf Hitler (56 anos) cometeu suicídio em seu bunker, em Berlim, por arma de fogo e também envenenamento por cianureto. Sua noiva Eva Braun (33 anos), com quem havia se casado pouco antes do suicídio, o acompanhou na morte ingerindo cianureto.

Seus corpos foram levados até a saída de emergência do bunker, colocados no jardim atrás da Chancelaria do Reich onde foram  encharcados de gasolina e queimados. Todo esse procedimento era para evitar que os corpos caíssem nas mãos dos soviéticos.

Jornal “The Stars and Stripes”, Estados Unidos, em edição extra de 2 de maio de 1945, anuncia a morte de Hitler.

Os últimos dias de Hitler

Desde 16 de janeiro de 1945, Hitler se mudara para o Führerbunker onde passou a residir e a se reunir com seus altos oficiais. Ali ele acompanhou a rápida desintegração do Terceiro Reich frente os avanços dos Aliados nas duas frentes, leste e oeste. Sua doença também evoluiu rapidamente deixando-o enfraquecido e cada vez mais desleixado em seus trajes, sofrendo perdas de memória e incapaz de se concentrar.

Havia anos que ele sofria do mal de Parkinson, além de distúrbios gástricos e insônia crônica. Com paranoia crescente, Hitler perdeu o sentido de realidade dando ordens impossíveis de serem obedecidas como, por exemplo, deslocar tropas que não existiam mais (FEST: 2006).

Sua última aparição pública foi em 20 de abril, dia de seu aniversário, quando condecorou alguns membros da Juventude Hitlerista. Em um pronunciamento na rádio, Joseph Goebbels esforçou-se por manter o otimismo das tropas e da população alemã anunciando:

“A Alemanha é e continua sendo o país da lealdade. […] A história nunca pode dizer que nesse momento crucial um povo abandonou seu líder, nem que um líder abandonou seu povo. Esta é a vitória!”

Dois dias depois, diante das notícias de derrota iminente, Hitler teve uma explosão de raiva sem precedentes. Nesse momento, teria afirmado a sua vontade de cometer suicídio (ROPER: 1992).

No final de abril, as forças soviéticas tinham entrado em Berlim e começaram a avançar em direção ao centro da cidade onde estava a Chancelaria.

A notícia da execução de Benito Mussolini, seu aliado, na Itália, perturbou ainda mais Hitler confirmando sua vontade de cometer suicídio para não ter um destino semelhante. Pediu aos seus oficiais que destruíssem seu corpo para evitar qualquer exposição e humilhação pública.

A ocultação dos restos mortais

A cremação foi assistida por um grupo de oficiais, entre os quais estava Joseph Goebbels, ministro de Propaganda da Alemanha nazista. Parados junto à porta do bunker, eles ergueram os braços em saudação ao Füher. Goebbels e sua esposa Magda seguiram o mesmo caminho: suicidaram-se depois de terem matado, por envenenamento, seus seis filhos, entre 5 e 13 anos de idade.

Os corpos de Hitler e Eva, contudo, não ficaram complemente queimados e uma segunda queima foi necessária. Mas ela precisou ser interrompida com o intenso bombardeio que a artilharia soviética despejou sobre Berlim no final daquela tarde de 30 de abril e durante a noite. A Chancelaria ficou totalmente destruída.

As tropas soviéticas chegaram ao jardim da Chancelaria aproximadamente às 23h, cerca de 7 horas ou 8 horas após a morte de Hitler. Os soviéticos vasculharam toda a área à procura dos restos queimados.

Entre os dias 2 e 5 de maio, foram encontrados os restos carbonizados de Hitler, Eva, Goebbels e sua família, além dos cadáveres de dois cachorros que poderiam ser de Blondi e seu filhote Wulf, cães de estimação de Hitler.

Hitler segurando sua cachorra Blondi ao lado de Eva Braun, foto de junho de 1942.

Família de Goebbels

Joseph Goebbels, sua esposa Magda e seus seis filhos. Atrás, com uniforme militar, o enteado de Goebbels, Harald Quandt , o único membro da família a sobreviver à guerra. Foto de 1 de janeiro de 1944.

Os restos mortais foram levados pelos soviéticos que lhes deram enterros sucessivos, sempre mantendo sigilo. Por razões políticas, a União Soviética, por décadas, não reconheceu que estava com os restos mortais e chegou a apresentar diferentes versões do destino de Hitler. Afirmou, inclusive, que ele não estava morto, mas havia fugido sob proteção dos Estados Unidos e até do papa! A figura de Hitler acabou servindo, no contexto da Guerra Fria, para a propaganda anticapitalista da União Soviética.

Enfim, os restos mortais são revelados

Em abril de 1970, por decisão de Yuri Andropov, diretor da KGB, os restos mortais de Hitler foram novamente exumados (estavam na Alemanha Oriental), cremados e as cinzas lançadas no rio Elba, em Magdeburg (BEEVOR: 2004), com exceção do crânio e mandíbulas – decisão motivada pelo “medo de que o local de sepultamento de Hitler se tornasse centro de peregrinação pela nostalgia do nazismo”.

Em maio de 2000, o crânio e uma fotografia da mandíbula de Hitler foram apresentados ao público em uma exposição organizada pelos arquivos estatais russos, em Moscou.

Em setembro de 2009, o semanário britânico The Observer afirmou que o fragmento de crânio era de uma mulher de 20 a 40 anos. A notícia era falsa, mas reanimou as teorias da conspiração em torno da morte de Hitler.

Recentemente, em março de 2017, o patologista forense Philippe Charlier, teve acesso aos restos atribuídos a Hitler – um fragmento de crânio e mandíbulas – mantidos, respectivamente, no Arquivo da Federação Russa e na sede do serviço secreto (FSB, ex-KGB). Charlie confirmou que a mandíbula era autêntica assim como os dentes foram identificados como sendo de Hitler. Confirmou-se, também, que Hitler não se matou com um tiro na boca.

Fonte

Saiba mais

Abertura

  • Primeira página do jornal das Forças Armadas dos EUA, Stars and Stripes, anunciando a morte de Hitler, 2 de maio de 1945.

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: