DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

Coliseu: a fabulosa engenharia de Roma Antiga – vídeo

9 de abril de 2022

9317
Visitas

70
compartilhamentos

Acessibilidade
Array ( [0] => WP_Term Object ( [term_id] => 3496 [name] => anfiteatro [slug] => anfiteatro [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3496 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [1] => WP_Term Object ( [term_id] => 521 [name] => aqueduto [slug] => aqueduto [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 521 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [2] => WP_Term Object ( [term_id] => 520 [name] => Coliseu [slug] => coliseu [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 520 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [3] => WP_Term Object ( [term_id] => 3498 [name] => EF06HI15 [slug] => ef06hi15 [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3498 [taxonomy] => post_tag [description] => Descrever as dinâmicas de circulação de pessoas, produtos e culturas no Mediterrâneo e seu significado. [parent] => 0 [count] => 5 [filter] => raw ) [4] => WP_Term Object ( [term_id] => 523 [name] => engenharia [slug] => engenharia [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 523 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [5] => WP_Term Object ( [term_id] => 3497 [name] => gladiador [slug] => gladiador [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3497 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [6] => WP_Term Object ( [term_id] => 522 [name] => gladiadores [slug] => gladiadores [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 522 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [7] => WP_Term Object ( [term_id] => 519 [name] => Roma Antiga [slug] => roma-antiga [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 519 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 6 [filter] => raw ) [8] => WP_Term Object ( [term_id] => 3499 [name] => tecnologia romana [slug] => tecnologia-romana [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3499 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [9] => WP_Term Object ( [term_id] => 3495 [name] => velario [slug] => velario [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3495 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) [10] => WP_Term Object ( [term_id] => 3494 [name] => velarium [slug] => velarium [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 3494 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 1 [filter] => raw ) )
BNCC

A engenharia romana ainda surpreende os especialistas por sua ousadia, recursos técnicos, tecnologia e sua incrível resistência e durabilidade. O que hoje está em ruínas foi causado por ação humana com a intenção de destruir ou de extrair material para outras construções.

Anfiteatros, circos, termas, teatros, basílicas, templos, aquedutos, colunas e arcos triunfos, pontes e estradas eram obras públicas da engenharia que aliavam beleza e luxo à utilidade. Eram obras feitas para o usufruto dos cidadãos e, ao mesmo tempo, destinadas a marcar a presença do Estado, o poder e riqueza do Império.

A engenharia romana serviu de referência para nossos dias. O Coliseu, por exemplo, é modelo de engenharia para todos estádios esportivos do mundo atual. A eficiência dos materiais e técnicas empregadas, a solução de problemas de topografia, iluminação e ventilação natural, a precisão dos cálculos e tantos outros elementos causam profunda admiração nos engenheiros de hoje.

  • BNCC: 6° ano. Habilidade: EF06HI15

Coliseu em foto aérea, 2021.

Coliseu, o maior anfiteatro romano

Entre as obras mais icônicas da engenharia de Roma Antiga está o Coliseu, nome popular do Anfiteatro Flávio, homenagem à família Flávia do imperador Vespasiano, que o mandou construir. Uma colossal estátua de Nero colocada nas proximidades, originou-lhe o apelido Colosseum (hoje Coliseu).

Depois de oito anos de construção, o Coliseu foi inaugurado em 80 d.C. Funcionou como arena por quase 450 anos. Testemunho do alto nível da arquitetura romana na antiguidade, ele foi o maior anfiteatro do Império Romano.

Segundo o historiador Cássio Dio (século II), o Coliseu foi inaugurado em 21 de abril do ano 80 com 100 dias de jogos, incluindo gladiadores, batalhas navais simuladas, caçadas de animais onde 5 mil animais foram mortos na arena.

Ficha técnica do Coliseu

  • Formato de elipse: 188 m de comprimento x 156 m de largura
  • Circunferência: 527 m.
  • Arena: 87,5 m de comprimento x 55 m de largura.
  • Altura: 48 m (4 andares apoiados em pilastras e arcos.
  • Material de construção: tijolo, argamassa e areia.
  • Revestimento externo: mármore travertino.
  • Capacidade para 50 mil pessoas acomodadas em arquibancadas.
  • 76 entradas para as pessoas comuns (cavaleiros, patrícios, clientes e plebeus).
  • 4 entradas exclusivas das autoridades: imperador, senadores, vestais e sacerdotes.

O fato do edifício estar localizado em um terreno pantanoso tornou necessário escavar até 14 metros de lodo inutilizável e fazer uma fundação de quase 13 metros de altura e 7 metros de largura com pedras e argamassa.

O lugar de cada categoria social nas arquibancadas do Coliseu.

As pessoas sentavam nas arquibancadas de acordo com seu lugar na hierarquia social: mulheres, plebeus e escravos nas arquibancadas superiores, enquanto o imperador, os senadores e as vestais ficavam no primeiro andar, ao redor da arena. Um lugar de honra era reservado para o editor, a pessoa que organizava e pagava os jogos. Muitas vezes, o editor era o próprio imperador, que se sentava no camarote imperial no centro da longa curva norte do estádio, onde todas as suas reações eram examinadas pelo público.

No centro ficava a arena, palavra derivada do latim que significa “areia”, material que revestia o pavimento de tábuas de madeira que podiam ser removidas. Na arena, eram travadas as lutas de gladiadores e feras. A forma redonda tinha como objetivo evitar que gladiadores, condenados à morte ou animais caçados se abrigassem em um canto.

Os porões do Coliseu

Abaixo do piso da arena fica uma vasta estrutura subterrânea chamada hypogeum, palavra grega que significa “porão”. Originalmente, não havia nada construído no hipogeu. Depois de remover as tábuas de madeira, o espaço poderia ser inundado transformando-se em um lago para as naumachiae, as batalhas navais simuladas com navios de menor escala. Elas ocorreram na inauguração do Coliseu, no reinado de Tito.

Acredita-se que foi Domiciano, irmão e sucessor de Tito, que mandou construir diferentes salas, corredores, celas, túneis dispostos em dois andares. Ali foram instaladas as masmorras dos condenados à morte, as jaulas para animais selvagens e as instalações das máquinas de palco como alçapões, rampas e elevadores.

Cenários inteiros podiam ser transportados para a arena com a ajuda de um complexo sistema de guinchos, polias, cabos e contrapesos. Para a surpresa dos espectadores, por exemplo, uma floresta completa ou uma paisagem desértica pode surgir do solo em poucos minutos. Uma jaula com um urso, leopardo ou leão podia ser erguida e o animal entrava direto na arena.

O hipogeu foi reformado muitas vezes durante os cinco séculos de funcionamento do Coliseu, e pode-se distinguir pelo menos doze fases diferentes de construção. Ele estava conectado por túneis subterrâneos a vários pontos fora do Coliseu. Por esses túneis, os animais, seus treinadores e gladiadores podiam chegar às jaulas e celas. Túneis especiais estavam reservados para o imperador e as virgens vestais, para que pudessem atingir seus camarotes sem se misturarem com a multidão.

Vista do interior do Coliseu e do hipogeu, os subterrâneos. Ao fundo, parte do piso de madeira de arena reconstruída.

Os jogos realizados no Coliseu

O Coliseu era um anfiteatro para jogos que incluíam lutas de gladiadores, caçadas de animais, lutas entre animais e de gladiadores com animais. As apresentações duravam o dia todo.

A primeira parte dos jogos era dedicada ao venatio, a caça aos animais selvagens, que ocupava a maior parte da manhã. Animais de todo império apareciam na arena: urso, leopardo, leão, elefante, girafa, rinoceronte, hipopótamo, veado, cabra selvagem, crocodilo, gnu, avestruz etc. Era preciso colocar anteparos nas arquibancadas para proteger os espectadores de possíveis saltos das feras. Dezenas de milhares de animais foram mortos no Coliseu.

Para dar mais emoção, os animais eram lançados à arena de diferentes maneiras. Podiam surgir de repente vindos de baixo ou lançados ao ar. O caçador na arena não sabia onde o leão poderia aparecer, ou se dois ou três leões poderiam surgir em vez de apenas um.

Leopardo atacando um condenado, mosaico romano, século III d.C., Museu Arqueológico da Tunísia.

As lutas de gladiadores começavam e acabavam pelas portas colocadas ao extremo do anfiteatro: o gladiador vitorioso saia da arena pela Porta Triumphalis (porta triunfal), o derrotado era retirado pela Porta Libitinesis, nome derivado de Libitina, deusa da morte e dos cadáveres.

Ao contrário do que o senso comum acredita, o Coliseu não foi palco do martírio cristão, no contexto das perseguições aos cristãos.  Não há evidências históricas sobre isso. Também é totalmente infundada a afirmação de que Nero teria mandado executar cristãos no Coliseu, acusados de terem provocado o incêndio de Roma. O Coliseu sequer tinha sido construído na época de Nero, cujo governo foi de 54 d.C. a 68 d.C.

Conforto para os espectadores

Para proteger o público do sol forte ou da chuva, o Coliseu possuía uma enorme cobertura de tecido, o velarium ou velum um tipo de toldo que era estendido por um sistema de cordas e roldanas. O velarium era sustentado por 240 mastros verticais no topo do Coliseu.  As cordas corriam por esses mastros até o exterior do Coliseu onde eram amarradas em 160 colunas de pedras.

O tecido era costurado a partir de várias peças de lona, cada uma cortada em tamanho diferente devido à planta elíptica. O velarium era operada por cerca de cem hábeis marinheiros da frota imperial estacionada em Misenum, no golfo de Nápoles. Eles eram especialmente chamados a Roma para essa tarefa. Com ventos fortes demais, o velarium tinha que ser rapidamente recolhido para evitar que a estrutura desmoronasse e colocasse o público em risco.

Além do velarium, o público desfrutava também de sparsiones (“aspersão”), névoa perfumada com bálsamo ou açafrão para se refrescar nos dias mais quentes.

Maquete do Coliseu com o “velarium” estendido.

Maquete do anfiteatro romano de Arles com o “velarium” parcialmente aberto.

Desvendando a engenharia romana

Para compreender melhor as soluções arquitetônicas dos construtores romanos, uma equipe de especialistas norte-americanos decidiu fazer na prática, o que os antigos fizeram. Liderados pelo engenheiro Steve Burrows, o arquiteto Charlie Luxton, o construtor Kris Carrol e a especialista em arte e arquitetura antiga Melinda Hartwig – eles experimentaram técnicas e materiais tais como os empregados pelos romanos antigos e construíram uma grua, em tamanho natural, com uma roda movida a força humana.

Vídeo: a construção do Coliseu (em espanhol)

O trabalho da equipe interdisciplinar buscou responder as questões abaixo (elas podem servir de roteiro na exibição do vídeo em sala de aula):

  1. Como os romanos chegaram a esse desenho arquitetônico?
  2. O que pretendiam seus construtores?
  3. Por que o desenho arquitetônico não mudou nesses dois mil anos?
  4. Que solução os construtores deram para o fluxo de milhares de pessoas de maneira a permitir entrada e saída seguras e rápidas?
  5. Como acomodar 50 mil pessoas de maneira que todas possam ver o espetáculo?
  6. Que solução encontraram para equilibrar peso e altura em um edifício de proporções tão grandes?
  7. Qual a função dos arcos na arquitetura do Coliseu?
  8. Que elemento arquitetônico sustenta todo peso do estádio?
  9. Como os romanos conseguiram levantar blocos de pedra de 2 toneladas a 50 metros de altura equivalente a um edifício de 15 andares?
  10. Como resolveram o problema do terreno alagadiço sobre o qual foi erguido o Coliseu?
  11. Como transportar os animais selvagens de suas jaulas, abaixo do piso, para a arena? E ainda, como colocá-los no centro da arena de maneira a surpreender os espectadores?
  12. Por que utilizaram a forma elíptica para o Coliseu?

Fonte

 

 

 

Doação
Doação

Estamos no limite de nossos recursos 😟 O site Ensinar História produz conteúdo de qualidade sem custos, sem propaganda e sem restrições aos seguidores. Contribua com nosso projeto realizando uma doação.

Compartilhe

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] A fabulosa engenharia de Roma Antiga […]

trackback

[…] A fabulosa engenharia de Roma antiga – Vídeo […]

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog:

    2
    0
    Would love your thoughts, please comment.x