DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

Execução de frei Caneca, Recife, Pernambuco

13 de janeiro de 1825

6858
Visitas

30
compartilhamentos

Acessibilidade

Em 13 de janeiro de 1825, o frade carmelita, de 46 anos, frei Joaquim do Amor Divino Caneca, o Frei Caneca, foi executado por um pelotão militar em Recife por sua participação na Confederação do Equador, revolução separatista e republicana ocorrida em Pernambuco em 1824.

Quem foi frei Caneca

Joaquim da Silva Rabelo (1779-1825) era de família pobre de Recife. Ordenou-se em 1801 e adotou o nome de Joaquim do Amor Divino Caneca, sendo esse último nome uma homenagem a seu pai, um tanoeiro português que fabricava barris e canecas.

Frei Caneca transformou-se num “intelectual refinado e num ativista político vigoroso” (SCHWARCZ, 2015). Foi iniciado maçom na Loja Maçonica Academia de Suassuna  e posteriormente filiado a Loja Maçônica Academia do Paraíso. Influenciado pelo Iluminismo, a Revolução Francesa e pela independência dos Estados Unidos, ele defendia o liberalismo radical e o federalismo.

Expressou sua militância política na Insurreição Pernambucana de 1817 pela qual passou quatro anos preso na Bahia. De volta à terra natal, em 1821, participou das agitações da independência. Por ocasião da aclamação de D. Pedro I como imperador dirigiu-lhe um sermão de louvação chamando-o de “príncipe justo, magnânimo, incomparável” que havia rompido “os infames grilhões” entre o Brasil e Portugal. Logo mudaria de opinião diante do autoritarismo do imperador.

A luta contra o governo central

O ambiente político após a independência estava marcado pela divisão entre liberais moderados, conservadores e liberais radicais. O xenofobismo contra portugueses tornava-se cada vez mais frequente.

Em Pernambuco, “província conhecida por sua disposição revolucionária e por sua vocação republicana e federalista” (SCHWARCZ, 2015), a independência não significou a liberdade desejada  mas a subordinação ao Rio de Janeiro, sede do império. Além disso, os portugueses continuavam a ter muito poder nas decisões das províncias nordestinas.

Em 1823,  indignado com o fechamento da Assembleia Constituinte (12 de novembro), frei Caneca escreveu uma veemente crítica ao governo monárquico, publicando-a no primeiro número do Typhis Pernambucano, jornal editado por ele. Nas páginas do periódico, denunciava a facção portuguesa que cercava D. Pedro, demonstrava seu receio ao retorno do regime absolutista e defendia um Império liberal com ampla autonomia das províncias.

Em janeiro de 1824, D. Pedro I nomeou Francisco Paes de Barros como presidente da província, indicação rejeitada pelas assembleias populares que se formaram. Sobre essa nomeação, Frei Caneca assim se manifestou, à época, nas páginas do Typhis Pernambucano

“Sua Majestade pode dar (…) títulos de barões, viscondes, condes, marqueses e duques; porém dar ciência a um tolo, valor a um covarde, virtude a um vicioso, honra a um patife, amor da pátria a um traidor, Sua Majestade não pode.

Estava aberto o conflito entre a província de Pernambuco e o governo imperial.

A notícia da outorga da Constituição, em março daquele ano, acirrou os ânimos. Contrariando o desejo de autonomia das províncias, a Constituição de 1824 preservava o centralismo , submetia as províncias ao poder do Rio de Janeiro, proibia as províncias de terem força armada própria e negava aos brasileiros terem preferência na ocupação de cargos públicos.

Proclamada a independência de Pernambuco

Em 2 de julho de 1824, foi proclamada a Confederação do Equador – nome dado pela proximidade geográfica com a imaginária Linha do Equador. Pernambuco declarou-se independente e sob um governo republicano baseado, inicialmente, na Constituição da Colômbia e nos princípios do republicanismo dos Estados Unidos.

Teoricamente, o novo Estado federalista e independente seria constituído pelas províncias do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Paraíba e Pernambuco. No entanto, além de Pernambuco, apenas o Ceará, algumas vilas da Paraíba e do Rio Grande do Norte aderiram ao movimento.

A repressão imperial e a execução de frei Caneca

A primeira reação à política absolutista e centralizadora do governo de D. Pedro I foi liquidada de forma violenta.

Em 12 de setembro, forças terrestres imperiais atacaram o Recife e, em cinco dias, derrotaram os rebeldes. Alguns líderes foram assassinados, enquanto outros acabaram presos. Das centenas de pessoas que participaram da revolta nas três províncias, 15 foram condenadas à morte, entre elas frei Caneca.

Condenado à morte na forca, frei Caneca foi levado para o alto do patíbulo.  Conta-se que três carrascos sucessivamente se recusaram a executá-lo. Por isso, o brigadeiro Francisco de Lima e Silva que comandou as tropas que sufocaram a Confederação, mandou fuzila-lo com tiros de arcabuz no muro do forte das Cinco Pontas (13 de janeiro de 1825). O corpo foi recolhido pelos carmelitas e sepultado em uma das catacumbas da ordem.

Francisco de Lima e Silva foi nomeado presidente da província de Pernambuco (1824-1825), depois escolhido regente da Regência Trina Permanente (1831) e senador do Império do Brasil (1827-1853).

Fonte

  • CANECA, Frei Joaquim do Amor Divino (1779-1825). Org. e introd. de Evaldo Cabral de Mello. 2001. (Coleção Formadores do Brasil).
  • SCHWARCZ, Lilia Moritz. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
  • LIMA, Kelly Cristina Azevedo de. CAOS Revista Eletrônica de Ciências Sociais, UFPB, n. 12, set 2008.

Saiba mais

Abertura

  • “O fuzilamento de Frei Caneca”, detalhe, de Murillo La Greca, c. 1950.

 

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: