DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

Oliver Cromwell promulga os Atos de Navegação

09 de outubro de 1651

11837
Visitas

112
compartilhamentos

Acessibilidade

Em 9 de outubro de 1651, foi aprovado um conjunto de leis protecionistas chamado Ato para o Aumento da Navegação e Incentivo à Navegação desta Nação ou Atos de Navegação pelo parlamento inglês liderado por Oliver Cromwell que, dois anos antes tinha derrubado a monarquia.

A nova legislação, nascida no contexto da Revolução Inglesa do século XVII, consolidou a política comercial e colonial britânica e abriu caminho para, no século seguinte, tornar a Grã-Bretanha a maior potência econômica e militar do mundo.

  • BNCC: 8 ano. Habilidade: EF08HI02

Atos de Navegação (1651)

O principal impulso para a primeira Lei de Navegação foi a deterioração ruinosa do comércio inglês com a independência holandesa, em 1648, que foi decisiva para garantir a primazia holandesa no comércio mundial. Os holandeses controlavam grande parte do comércio internacional da Europa e até grande parte do transporte costeiro da Inglaterra. Excluir os holandeses de praticamente todo o comércio direto com a Inglaterra foi o objetivo dos Atos de Navegação.

Os Atos regulavam o comércio internacional da Inglaterra, bem como o comércio com suas colônias conforme a teoria econômica do mercantilismo que procurava manter todos os benefícios do comércio dentro de seus respectivos impérios e minimizar a perda de ouro e prata, ou lucros, para estrangeiros.

O sistema se desenvolveria com as colônias fornecendo matérias-primas para a indústria britânica e, em troca desse mercado garantido, as colônias comprariam bens manufaturados da ou através da Grã-Bretanha.

Determinavam que mercadorias negociadas com a Inglaterra só poderiam ser transportadas em navios ingleses e com, no mínimo, ¾ da tripulação formada por ingleses.

Proibiam navios estrangeiros de transportarem mercadorias da Ásia, África ou América para a Inglaterra ou suas colônias; somente navios com proprietário, mestre e uma tripulação inglesa majoritária seriam aceitos.

Proibiram as colônias de exportar produtos para países e colônias que não sejam os britânicos e determinaram que as importações fossem originárias apenas na Grã-Bretanha.

A violação dos termos do ato resultaria na perda do navio e de sua carga.

Resultados

A Holanda reagiu aos Atos de Navegação e declarou guerra à Inglaterra, que duraria de 1652 a 1654. Com a vitória da Inglaterra, a concorrência holandesa foi afastada abrindo caminho para a consolidação do comércio marítimo inglês.

Os Atos foram suspensos na restauração monárquica, por Carlos II, mas retomados em 1660 que, com emendas posteriores (acréscimos e exceções) formaram a base do comércio exterior inglês e posteriormente britânico por quase 200 anos.

Ao reservar o comércio colonial britânico para o transporte marítimo britânico, os Atos favoreceram um rápido aumento no tamanho e na qualidade da Marinha Real levando a Inglaterra a se tornar a primeira potência naval e comercial do mundo. Contribuíram, também, para o crescimento de Londres como um importante porto de entrada para mercadorias coloniais americanas.

Com o desenvolvimento e a aceitação gradual do livre comércio, os Atos de Navegação foram revogados em 1849.

Fonte

  • ARRUDA, José Jobson de. A Grande Revolução Inglesa, 1640-1780. São Paulo: Hucitec, 1996.
  • HILL, Christopher. A Revolução Inglesa de 1640. Lisboa: Editorial Presença; São Paulo: Livraria Marins Fontes, 1985.
  • HILL, Christopher. O século das revoluções (1603-1714). São Paulo: Unesp, 2012.

Saiba mais

Abertura

  • Oliver Cromwell , óleo de Samuel Cooper, 1656.

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: