DoaçãoPrecisamos do seu apoio para continuar com nosso projeto. Porque e como ajudar

TelegramEstamos também no Telegram, siga nosso grupo. Estamos no TelegramAcesse Siga

Massacre da Praça da Paz Celestial, China

03 de junho de 1989

12494
Visitas

10
compartilhamentos

Acessibilidade

Nos dias 3 e 4 de junho de 1989, ocorreu uma violenta repressão contra um movimento democrático estudantil na Praça da Paz Celestial (“Tian’anmen”), no centro de Pequim. Cerca de 5 mil pessoas manifestavam contra o governo do Partido Comunista por ser demasiado repressivo e corrupto, e contra a inflação e o desemprego.

O exército chinês disparou indiscriminadamente contra a multidão que ocupava a praça e ruas próximas.  A repressão se estendeu a outras partes da cidade e continuou nos dias seguintes. As estimativas das mortes variam: entre 400 a 800 (segundo o The New York Times) até 2.600 mortos (Cruz Vermelha chinesa) além de cerca de 7.000 feridos.

Nos primeiros dias de junho de 1989, milhares de pessoas, a maioria estudantes, se reuniram na Praça da Paz Celestial, em Pequim.

Gorbachev na China, maio de 1989

O movimento estudantil foi inspirado no processo de abertura da União Soviética introduzido, em 1986, por Mikhail Gorbachev por meio da perestroika (“reconstrução”, em russo), programa de abertura econômica incluindo a liberalização do comércio exterior, e da glasnot (“transparência”, em russo), programa de abertura política que deu novas liberdades sobretudo liberdade de expressão. As mudanças ocorridas na União Soviética influenciaram outros países do bloco comunista como a Polônia e a Hungria.

A visita de Mikhail Gorbachev à China em maio de 1989 fortaleceu a esperança de intelectuais e estudantes chineses de que o país seguiria no mesmo sentido de liberalização política e econômica.

O líder soviético chegou à China em plena onda de protestos estudantis que, desde 15 de abril, ocorriam quase diariamente em Pequim e que recebeu, inclusive, apoio de trabalhadores. O movimento consistia em marchas pacíficas nas ruas da capital pedindo reformas políticas, liberdade de expressão e um diálogo com os governantes da República Popular da China. Os estudantes cantavam “A Internacional” (hino comunista) mostrando, assim, que permaneciam aliados ao socialismo chinês.

Em 17 de maio, os líderes chineses foram forçados a cancelar a visita de Gorbachev à Cidade Proibida. Humilhação para o governo chinês.

Dois dias depois, o secretário-geral do PCC, Zhao Ziyang, foi à praça e tentou dissuadir os estudantes de continuarem a manifestação e a greve de fome que tinham, então iniciado. Zhao Ziyang não teve sucesso e ainda caiu em desgraça: foi demitido e colocado em prisão domiciliar em Zhongnanhai, o local de residência dos líderes chineses nos limites da Cidade Proibida, impedido de qualquer contato com o mundo exterior.

No dia 20 de maio, Deng Xiaoping, presidente da comissão de assuntos militares do PCC (85 anos), convence o primeiro ministro Li Peng a instituir a lei marcial. Este convoca o exército para limpar a praça e soldados e tanques são mandados às ruas. A multidão, porém, era tamanha que as entradas da praça estavam bloqueadas. Os manifestantes, inclusive, haviam erguido barricadas para impedir ou dificultar a passagem dos tanques.

O massacre em Tiananmen

Na noite de 3 de junho, tanques e caminhões blindados transportando soldados armados foram atacados com pedras e dispararam contra a multidão.  O confronto vitimou civis e soldados que foram mortos em linchamento ou por coquetéis Molotov (bombas caseiras) e outras armas improvisadas.

Por volta das 12h do dia 4 de junho, os primeiros soldados chegaram à Praça Tiananmen que, então, estava ocupada por apenas uns 5.000 estudantes. Novos confrontos ocorreram estendendo-se até a madrugada do dia seguinte. Entre os manifestantes, Hou Dejian, um músico popular da China, assumiu uma posição de liderança e negociou com o comandante das tropas uma retirada pacífica . Os manifestantes deveriam deixar a praça até as 7h da manhã. Quem permanecesse seria fuzilado pelos militares.

A violência na cidade continuou em 5 de junho, embora a resistência já estivesse quebrada. Armas de fogo foram usadas em vários confrontos entre os militares e a multidão.

A foto icônica

Quando os tanques se afastavam da praça, um homem carregando duas sacolas atravessou a avenida obrigando os tanques a pararem. A imagem foi filmada e se tornou um ícone dos protestos. Foto de Charlie Cole, feita em 5 de junho de 1989, em Pequim.

No dia 5 de junho, quando os tanques começam a se afastar da praça, foi feita a imagem que se tornou ícone dos protestos: um homem segurando duas sacolas de compras nas mãos atravessou a avenida e, por uns instantes, deteve uma coluna de tanques na avenida.

Até hoje, não se sabe quem é esse homem. Muitos esforços foram feitos para identificá-lo, sem sucesso. Houve quem identificasse como Wang Weilin, um estudante de 19 anos de idade. Outros asseguram que o homem foi executado quatorze dias depois da revolta, por um pelotão de fuzilamento. Há quem diga que esse homem segue com vida escondido na área rural da China. O autor do registro, Charlie Cole recebeu, por esse trabalho, o World Press Photo Award, em 1989.

A repressão do governo após os protestos

Sufocados os protestos, seguiu-se uma onda de repressão do governo. Foram anunciadas 49 execuções: eram principalmente trabalhadores e intelectuais, mas não estudantes. Estes foram condenados a anos de prisão. Libertados depois de cumprida a pena, foi-lhes negado trabalho qualificado uma vez que haviam sido registrados como participantes dos protestos.

Centenas de manifestantes conseguiram sair do país com ajuda de diplomatas ocidentais que lhes ofereceram asilo político, especialmente a França.

O governo chinês silenciou sobre os acontecimentos e impôs uma severa censura aos meios de comunicação e à Internet, especialmente às redes sociais como Facebook e Twitter. Por outro lado, o forte crescimento econômico da China a partir de 1990 forneceu boas oportunidades de carreira para os graduados do ensino superior gerando uma mudança em suas prioridades de vida e aumentando a satisfação da população como um todo.

Zhao Ziyang, o líder chinês que tentou convencer os estudantes a pararem os protestos, viveu em isolamento até sua morte. Morreu em 17 de janeiro de 2005, mas suas cinzas só foram entregues à família quinze anos depois para serem enterradas. Apenas vinte pessoas foram autorizadas a assistir à cerimônia fúnebre. Seu túmulo é guardado dia e noite por homens armados e as visitas são proibidas.

Zhao Ziyang ainda é um assunto polêmico na China. A mídia estatal nunca mencionou seu enterro. A busca por seu nome nas redes sociais chinesas não produz resultados. Detalhes de sua vida continuam censurados na China. Um pouco como se Zhao Ziyang nunca tivesse existido. Sua biografia secreta, contudo, foi contrabandeada e publicada em inglês e chinês em 2009 (vide abaixo).

China: Tiananmen triste aniversário (em francês)

Fonte

Saiba mais

 

Compartilhe

Navegue pela História

Selecione o mês para conhecer os fatos históricos ocorridos ao longo do tempo.

Outros Artigos

Últimos posts do instagram

Fique por dentro das novidades

Insira seu e-mail abaixo para receber atualizações do blog: